Goeldi, Oswaldo

Filho do cientista suíço Emilio Augusto Goeldi. Com apenas um ano de idade, muda-se com a família para BelémPará, onde vivem até 1902, quando se transferem para Berna, Suíça. Aos 20 anos ingressa no curso de engenharia da Escola Politécnica, em Zurique, mas não o conclui. Em 1917, matricula-se na Ecole des Arts et Métiers (Escola de Artes e Ofícios), em Genebra, porém abandona o curso por julgá-lo.

A seguir, passa a ter aulas no ateliê dos artistas Serge Pahnnke (1875 - 1950) e Henri van Muyden (1860 - s.d.). No mesmo ano, realiza a primeira exposição individual, em Berna, na Galeria Wyss, quando conhece a obra de Alfred Kubin (1877 - 1959), sua grande influência artística, com quem se corresponde por vários anos. Em 1919, fixa-se no Rio de Janeiro, sua cidade natal, e passa a trabalhar como ilustrador nas revistas Para Todos e Ilustração Brasileira. Dois anos depois, realiza sua primeira individual no Brasil, no Liceu de Artes e Ofícios carioca, que, com o Palace Hotel também da Capital Federal, foram as duas primeiras galerias de arte moderna do Brasil a partir de fins da década de 1910. O Salão Nacional de Belas Artes foi o principal espaço de divulgação da obra de Goeldi na primeira metade do século XX.

Foi no Rio de Janeiro que conheceu a xilogravura, seu principal meio de expressão poética. Em 1923, inicia seu aprendizado com Ricciardo Bampi em Niterói. Na década de 1930, lança o álbum 10 Gravuras em Madeira de Oswaldo Goeldi, com introdução do poeta Manuel Bandeira (1884 - 1968) para periódicos e livros, como Cobra Norato, de Raul Bopp (1898 - 1984), publicado em 1937, com suas primeiras xilogravuras coloridas. Dedica esta edição a Tarsila. Em 1941, trabalha na ilustração das Obras Completas de Dostoievski, publicadas pela Editora José Olympio. Em 1955, inicia a carreira de professor, na Escolinha de Arte do Brasil, e, em 1955, torna-se professor da Escola Nacional de Belas Artes - Enba, no Rio de Janeiro, onde abre uma oficina de xilogravura. Foram seus alunos Adir Botelho (seu assitente e substituto), Anna Letycia (que escreveu sobre Goeldi), Samico, Antonio Dias e Roberto Magalhães. Em 1995, o Centro Cultural Banco do Brasil realiza exposição comemorativa do centenário do seu nascimento, no Rio de Janeiro com curadoria de Noemi Ribeiro, a maior conhecedora do desenvolvimento da linguagem xilográfica de Goeldi, a partir do acervo do Museu Nacional de Belas Artes onde ela trabalhou por mais de duas décadas.

Nasceu no Rio - e a cidade foi sempre sua referência ética. Até os seis anos de idade, viveu em Belém do Pará, onde seu pai dirigia o Museu Paraense Emílio Goeldi. Dos seis aos 24 anos viveu na Suíça. No período da Primeira Guerra Mundial abandonou o curso da Escola Politécnica para se matricular, em 1917, no Liceu de Artes e Ofícios, em Genebra. No mesmo ano realizou sua primeira exposição individual em Berna, época em que conheceu a obra do austríaco Alfred Kubin, que se tornou seu mentor artístico.

Em 1919 retornou ao Rio de Janeiro cosmopolita, sua cidade natal. Ali realizou sua primeira exposição no Brasil. Integrando-se com parcimônia à vida social, no entanto, estabeleceu relações com escritores modernistas como Graça Aranha, Raul Bopp, Álvaro MoreyraManuel BandeiraAníbal MachadoRonald de Carvalho, Béatrix Reynal e pintores como Di Cavalcanti, José Maria dos Reis Junior e outros. Carlos Drummond de Andrade dedicou-lhe um poema. No entanto, no período em que viveu no Rio, onde trabalhou no governo de Getúlio Vargas, Mario de Andrade não desenvolveu grande proximidade com Goeldi. A partir de 1923 dedicou-se intensamente à xilogravura e fez ilustrações para revistas, livros e periódicos. Consolidado como ilustrador, expôs na 25ª Bienal de Veneza, em 1950, e ganhou o Prêmio de Gravura da 1ª Bienal Internacional de São Paulo, em 1951. Sua carreira como professor começou em 1952 e, após três anos passou a ensinar xilogravura na Escola Nacional de Belas Artes. Em 1956 foi realizada sua primeira retrospectiva no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, sua mais importante exposição em vida, e no MAM-SP.

A obra de Goeldi já participou de mais de uma centena de exposições póstumas no Brasil, ArgentinaFrançaPortugal, Suíça e Espanha. Todo o acervo do artista hoje é preservado e catalogado pela Associação Artística Cultural Oswaldo Goeldi e pelo Projeto Goeldi, segundo estas instituições. Gravador, desenhista, ilustrador e professor, Oswaldo Goeldi nasceu na cidade do Rio de Janeiro em 1895. Logo após seu nascimento e até os seis anos de idade, Goeldi morou em Belém (PA) com seus pais, Adelina Meyer Goeldi e Emilio Augusto Goeldi. Emil Goeldi foi um dedicado naturalista suiço que deu nome a uma das mais importantes instituições do pais, da qual foi diretor: o atual Museu Paraense Emílio Goeldi. Ele deu-lhe a feição científica que tem hoje, distinta da que possuía quando de sua fundação em 1866. Nelson Sanjad escreveu "A coruja de Minerva - o Museu Paraense entre o Império e a República", que analisa em profundidade o papel intelectual de Emil Goeldi no desenvolvimento da ciência no Brasil.

Oswaldo Goeldi viveu na Suíça até o falecimento de seu pai. Depois disso, abandonou o curso na Escola Politécnica para se matricular na École des Art et Métiers. Decepcionado com a escola, passou a ter aulas com Serge Pahnke e Henri Van Muyden. Em 1917 realizou sua primeira exposição individual em Berna (Suíça), quando conheceu a obra do austríaco Alfred Kubin, seu afinidade eletiva. Na mesma época tornou-se amigo de Hermann Kümmerly, com quem fez suas primeiras litografias. De volta ao Brasil, em 1919, executou trabalhos como ilustrador. Dois anos depois, ao expor no saguão do Liceu de Artes e Ofícios, aproximou-se de pessoas interessadas na renovação da arte, como a Semana de 1922 [sic]. A partir de 1923, dedicou-se intensamente à xilogravura que conheceu com Ricciardo Bampi.

Fez trabalhos para revistas, livros e periódicos. Em 1930, lançou o álbum "Dez Gravuras em Madeira", prefaciado por Manuel Bandeira e cuja venda permitiu seu retorno à Europa, onde expôs novamente em Berna e em Berlim. Por volta de 1932, retornou ao Brasil e começou a experimentar o uso da cor em xilogravuras. Consolidado como ilustrador, expôs na 25ª Bienal de Veneza em 1950.

Goeldi nunca se casou. Hoje, a quase totalidade das matrizes e muitas centenas de gravuras e desenhos de Goeldi estão no Rio de Janeiro, no Museu Nacional de Belas Artes e na Biblioteca Nacional, que também guarda os arquivos do artistas transferidos da PUC-RJ. O terceiro fundo de obras de Goeldi é a antiga coleção do Banco do Estado da Guanabara (BEG), adquirida com recursos públicos da cidade do Rio de Janeiro. No período da fusão, o BEG foi renomeado como BANERJ e, por ocasião da privatização deste, o acervo Goeldi foi transferido par o Museu do Estado do Rio de Janeiro no Palácio do Ingá em Niterói. Nada é comparável a estes três acervos, mas outras coleções públicas são dignas de nota: o Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, a Casa de Rui Barbosa e o Museu de Arte do Rio (MAR) na cidade natal de Goeldi, o Museu de Arte Moderna de São Paulo, a Pinacoteca do Estado de São Paulo e o MAC-USP e o Museu da Gravura de Curitiba. A artista Lygia Pape e seu marido Günther Pape foram um dos maiores colecionadores da obra de Goeldi, além de outros que preferem ficar no anonimato.

Sua obra tem participado de centenas de exposições no BrasilArgentina, Equador, México, Uruguai, Bélgica, FrançaPortugalSuíça e Espanha. O respeito à obra de Goeldi é resguardado é preservado pelo Projeto Goeldi, que além de um acervo de obras possui o maior acervo documenta e iconográfico sobre o artista, além de utensílios e objetos pessoais resguardados pela instituição fundada pelos herdeiros do artista.